Archive for abril \17\UTC 2012

Mas e o VAC?

Hoje quem deseja tirar um visto canadense pode fazê-lo por 3 vias:  pessoalmente (em SP e para alguns tipos de visto, se não me engano), via despachante ou via VAC.

Da primeira vez que fui para o Canadá, para Toronto, fiz via despachante, nem tinha VAC ainda. Foi a minha primeira experiência em vistos que nem tinha muitos detalhes, como dessa vez teve, então não devia ser tão difícil assim. Era um simples visto de turismo para estudar durante 3 semanas, meu período de férias na época. Primeira tentativa: visto negado. Questionei a profissional que cuidava do meu processo para entender o que tinha faltado, ela me disse algumas que faltaram como carta dos meus pais para garantir ao consulado que eu teria um suporte financeiro caso fosse preciso. Além disso, resolvi, por conta própria e conselhos de amigos, acrescentar outras comprovações de vínculos com o Brasil. Enfim, coberta por todos os lados, meu visto foi finalmente concedido cerca de um mês e meio antes de viajar. O que me espantou nessa fase foi que a despachante de fato não deu tanto suporte assim, pois ao ver meus documentos pela primeira vez não alertou para detalhes que ficaram claros da segunda vez.

Esse foi um dos motivos pelo qual dessa vez escolhi o VAC. Presente no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, o objetivo é agilizar os processos num centro que vai tirar suas dúvidas e encaminhá-lo para o consulado com mais transparência, imagino eu. Googleando por aí, encontrei muita gente reclamando de coisas como falta de informação dos funcionários. Bem, confesso que fiquei receosa que algo acontecesse com meu processo desde o primeiro minuto que pisei no VAC. De fato os funcionários não me passaram muita segurança. Eu entendo que não se deve julgar a instituição por dois ou três funcionários, mas infelizmente quando se fala de atendimento ao público o discurso tem que estar bem treinado e uniforme entre todos os colaboradores. Isso não aconteceu.

O site deles eu, particularmente, acho muito confuso e às vezes dá erro nos links, fica a dica para não fazer os downloads dos formulários em cima da hora.

Pontos positivos: Eles respondem os e-mails com dúvidas muito rápido! Não sei se foi privilégio daqui do Rio, mas comigo não demoraram mais de 12 horas, quando o prazo que se dão é de no máximo 48h. / Possuem toda a estrutura para você preencher e imprimir formulários, com ou sem apoio de um funcionário, e tirar a foto obrigatória na hora.

Vamos aos prazos (só para terem em mente, não significa que serão os mesmos em todos os processos de visto de estudante):

Entrada do requerimento: 23 de fevereiro

Solicitação de exames médicos: 16 de março

Entrega dos exames ao médico: 26 de março

Chegada dos exames em Ottawa: 29 de março

Mudança de status no site do VAC (Application Processing Completed – In Transit to the VAC): 11 de abril

Recebimento do e-mail para buscar o passaporte: 16 de abril

Vale ressaltar que eles não avisam se o visto foi aprovado. O envelope vem lacrado de São Paulo e você assina um termo, caso optar por retirar o passaporte no VAC, de retirada. Só ao retirar seu passaporte do envelope você saberá se o visto foi concedido ou não.

Em linhas gerais, não tive problemas sérios com o VAC, recomendo, porém com a ressalva de que fiquem de olho em cada etapa do processo e, se tiverem dúvida, perguntem e se informem!

You may now travel to Canada

53 dias depois de dar entrada no processo de visto, finalmente, APROVADO! Em junho tudo muda de novo, dessa vez em Vancouver e no verão. O curso escolhido dessa vez está dentro do programa de Educação Continuada na Universidade de British Columbia, a segunda maior do Canadá. Serão dois meses com estudo e estágio. Na famosa carta de aceitação a UBC requer um visto de estudo/ trabalho, mesmo sendo menos de 6 meses. Depois de muito pesquisar na internet (e não encontrar nenhum blog que falasse de um caso assim, by the way) achei no site do Centro de Imigração Canadense uma parte onde dizia que, mesmo não sendo necessário, o estudante pode SIM requisitar um visto de estudo para cursos com menos de 6 meses. Recomendam também que você escreva uma carta explicando a razão pela qual está optando por esse tipo de visto. No meu caso, e acredito que seja a maioria, expliquei que pretendia realizar um curso maior após este, como um mestrado, por exemplo. É bom ficar ligado nas possibilidades que você tem em cada visto:

V1 – Visto de visitante para até 6 meses (turismo)

Sx – 1 – Visto de Visitante com permissão de estudos para até 6 meses (mediante apresentação de carta da escola)

S-1-Visto de Estudante para mais de 6 meses (mediante apresentação de carta da escola com matrícula por período igual ou superior a 6 meses de curso)

Sw-1- Visto de estudante para mais de 6 meses com permissão de trabalho (mediante carta da escola com matrícula em programas de estudo/trabalho com no mínimo 6 meses de duração)

Wx-1- visto de negócios (vai a trabalho, mas não para trabalhar )

W-1 – visto de permissão de trabalho (mediante contrato com empresa previamente autorizada pelo governo canadense e após o candidato ser aprovado no LMO (Labour Maket Opinion) ou HRSDC (Human Resources and Social Development Canada)

Fonte: http://rafacanada.com.br

Com tempo, resolvi fazer minha application via VAC (Centro de Requerimentos de Vistos), que terá um post especial, e 53 dias contados no calendário desenhado na parede (ok, menos) fui buscar o passaporte com meu visto lindinho lá colado. :)

Hora de atravessar a ponte